EN388

Em maio de 2017, o Ministério do Trabalho informou através do Comunicado XL que a partir de julho 2017, os ensaios para a certificação e renovação do Certificado de Aprovação – CA das luvas de segurança para proteção contra riscos mecânicos, deverão seguir a versão vigente da norma técnica, a EN388:2016.

Importante informar que os “CAs” das luvas ensaiadas pela norma substituída EN388:2003 continuam valendo até a data de seu vencimento.

O que mudou?

Os ensaios de abrasão, corte (coup test), rasgo e perfuração da norma antiga seguem mantidos.

As principais inclusões foram o novo ensaio de Corte pelo método ISO13997 (também conhecida como teste TDM100) e do ensaio de Impacto.

Com isso, o pictograma das luvas com o teste de proteção mecânica passará a ter mais dois resultados, conforme a figura abaixo:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RESISTÊNCIA A ABRASÃO – ESCALA DE 0 A 4

Com base no número de ciclos necessários atravessar a luva através de um processo de “lixamento” (abrasão por óxido de alumínio papel, sob uma pressão estipulada de 9 +/- 0,2 kPa). O fator de proteção é então indicado numa escala de 0 a 4, dependendo de quantas rotações são necessárias para fazer um furo no material.

 

RESISTÊNCIA A CORTE (COUP TEST) – ESCALA DE 0 A 5

Com base no número de ciclos necessários para cortar uma amostra a uma velocidade constante. O fator de proteção é então indicada numa escala de 0 a 5.

 

RESISTÊNCIA A RASGO – ESCALA DE 0 A 4

Com base na quantidade de força necessária para rasgar uma amostra. O fator de proteção é indicado na escala de 0 a 4.

 

RESISTÊNCIA A PERFURAÇÃO – ESCALA DE 0 A 4

Com base na quantidade de força necessária para perfurar a amostra, com um ponto tamanho padrão. O fator de proteção é indicada numa escala de 0 a 4.

 

NOVO ENSAIO DE CORTE (MÉTODO ISO 13997/ TESTE TDM 100)

Até então, a resistência ao corte era medida somente usando o (Coup test), que utiliza uma lâmina rotativa sob uma carga fixa, movendo-se para frente e para trás na superfície da luva testada.

 

Figura: Máquina Coup Test
Fonte: https://www.satra.com/spotlight/article.php?id=471 acesso em 01/08/2017 as 17h51

 

A atualização EN388:2016 dá a opção de manter esse teste de corte ou de testar as luvas através do ensaio ISO 13997, padrão que utiliza uma máquina chamada TDM-100.

Nesse teste, a lâmina se move através da amostra apenas uma vez, determinando a resistência ao corte pela carga necessária para cortar uma distância de referência de 20 milímetros.

     

 

Figura: Maquina TDM 100, Lâmina e pesos.
Fonte: http://texcontrol.com.br/produto/tdm-100/ acesso em 02/08/2017 as 09:18.

O objetivo desse novo teste é de ser mais específico no resultado obtido com relação ao nível de corte visto que, pelas novas tecnologias sendo desenvolvidas em luvas e fios de resistência ao corte, fazem com que o Coup Test não seja tão preciso quanto o novo teste.

Para não haver comparação entre os dois ensaios de corte, pois não existe correlação entre eles, os resultados obtidos pelo teste terão uma classificação de A a F, conforme o quadro abaixo:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Exemplo de um pictograma, utilizando a nova norma:

 

Quando o equipamento não for submetido ao ensaio da ISO 13997 (TDM 100), deverá haver a marcação do caractere “X” para indicar essa situação.

QUANDO USAR O NOVO TESTE DE CORTE

É fundamental a utilização do novo teste para luvas que apresentarem características específicas para resistência ao corte.

Nesse caso, o Coup Test pode ser opcional e o pictograma poderá conter ou não esse teste.

Exemplo:

 

 

 

 

 

Realizado diretamente o novo teste de corte ISO 13997 (TDM 100).

Ou

 

 

 

 

 

Realizado Coup test e Teste ISO 13997 (TDM 100).

Quando a luva não apresentar como característica principal a resistência ao corte, poderá utilizar apenas o ensaio Coup Test, não ensaiando a luva no Teste ISO 13997 (TDM 100).

Exemplo:

 

 

 

 

 

Lembrando que X informa que o produto não foi testado nesse ensaio.

 

TESTE DE IMPACTO

Este teste é opcional. Só deve ser incluído para luvas que informam propriedades específicas de resistência ao impacto.

A marcação incluirá um ‘P’ para indicar que a luva passou no teste de impacto, “F” se falhou ou não passou no teste e X, se o teste não foi realizado.

 

 

 

 

 

 

Como essa norma é recente, teremos pela frente um período de aproximadamente cinco anos de adaptação, tendo como base o tempo de validade de um CA visto que, o Ministério do Trabalho aceitou até o dia 30/06/2017, ensaios realizados pela norma EN388:2003.

Por isso, deixamos a disposição a nossa equipe técnica para sanar as dúvidas que possam surgir.

Entre em contato conosco. Será um prazer ajudá-lo!